Bem Vindos ao oequilibriosobrenatural.blogspot.com.br

Demonologia é o estudo sistemático dos demônios. Quando envolve os estudo de textos bíblicos, é considerada um ramo da Teologia. Por geralmente se referir aos demônios descritos no Cristianismo, pode ser considerada um estudo de parte da hierarquia bíblica. Também não está diretamente relacionada ao culto aos demônios.


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

PACTO COM LÚCIFER - VANTAGENS E PERIGOS

Se começar a ler esse post, leia-o até o fim e medite atentamente sobre ele considerando-o, não apenas parcialmente, mas como um todo. Caso contrário ele lhe confundirá mais do que esclarecerá.


Escrevi esse artigo para tentar esclarecer alguns pontos importantes em relação a um compromisso muito sério no Nosso Caminho, o Pacto com Lúcifer. Nele procuro responder questões tais como; Para que fazer um Pacto com o Lúcifer, o que você pode obter com um Pacto, as responsabilidades e o perigo de se fazer um Pacto desta natureza. Afinal esse é um compromisso para adultos, para pessoas sérias, responsáveis, que não são levianas. Os cristãos são traidores e mentirosos, nós Luciferianos por outro lado, sabemos honrar nossos compromissos, não por bom mocismo, mas por bom senso.
Enfim, como você sabe, Lúcifer é visto nas religiões cristãs, como a personificação do “mau”. A maioria das religiões cristãs acreditam que um Deus tem que ter apenas um aspecto, ou seja, um Deus tem um ser “bom”, e o outro o “mau”, assim para eles Jeová é "o bom", e Lúcifer é o "mau".
Mesmo isso indo contra todas as provas que existem no próprio Livro das Mentiras (A Bíblia) a respeito do verdadeiro caráter do deus cristão.
No entanto, nem todos querem seguir o deus adorado pelos cristãos, muitas pessoas preferem escolher caminhar com Lúcifer. As pessoas querem sempre mais, os seres humanos querem tudo rápido, você pode pedir ao deus cristão para torná-lo rico, ter boa saúde, manter a sua família bem, conquistar alguém, conseguir fama e fortuna, e quando você vê suas orações não sendo respondidas, é aí que muitos procuram o Pacto com Lúcifer, sem entender direito o que é esse Pacto. Eu sempre tento esclarecer isso para meus alunos. Bem então vamos lá:
O que é realmente um Pacto com Lúcifer?
Há muitas maneiras de fazer um pacto com alguém. Mas um Pacto com o Lúcifer significa que você dá algo para Ele, e Lúcifer e suas legiões de Demônios realizarão algo para você. Basicamente é um "toma lá, dá cá".
O processo do Pacto pode variar de escola para escola, de grupo para grupo, mas esta é a explicação mais simples que posso conceber.
Como fazer um Pacto com Lúcifer?
Mais uma vez, há diferentes maneiras que são as seguintes, como a dizimo nas igrejas, assim nas igrejas satânicas também tem a ajuda já começa por ali entre os fieis ai tem aquela pergunta ( Mas porque dar dizimo para igreja satânica se o Demônio já ajuda sim porque ) a resposta e simples e para materiais didático pois,
oque recebemos entroca de pai lucifer e nosso e para nosso uso, e para ajudar pessoas nesisitadas pessoa que presisa, temos que comecar certo para dar certo e terminar certo.
Você faz uma promessa à Lúcifer de que vai dar a Ele algo em troca e Ele lhe dará algo em contra-partida. Não existe mais esse negócio de “vender a alma”. Pois muitos ao fazerem um Pacto com Lúcifer, conquistavam o que pediram, e depois iam correndo para a igreja com o "rabo entre as pernas" pedir misericórdia.
Existem oferendas a se fazer à Lúcifer. Alguns materiais como cigarros, limões, pimenta, e outras ofertas, que são muito comuns nos países asiáticos. Já nos países ocidentais e europeus, eles preferem dar uísque, cerveja, e assim por diante. Alguns no entanto oferecem a Lúcifer seu Sangue, sua Unha e seu Cabelo, essa é uma prática muito comum, que permite que Lúcifer, seus Demônios e o Sacerdote que oficiou o Pacto tenha acesso ao indivíduo onde quer que ele esteja, a qualquer hora e a qualquer momento. Não pense que alguém pode celebrar um compromisso dessa magnitude e depois dar as costas e agir como se nada tivesse acontecido, dar uma de "João sem braço". No cristianismo isso poderia até funcionar, mas no Luciferianismo o "João ficará sem braço mesmo".
Bem mas retomando o ponto.
Porque as pessoas fazem Pacto com Lúcifer?
Para conquistar e manter a pessoa amada;
Para fazer um inimigo sofrer;
Para conseguir um bom emprego, ou conseguir uma promoção desejada;
Para abrir seu próprio negócio;
Para mudar para uma casa melhor;
Para obter longevidade e boa saúde;
Para se tornar rico;
Para ser famoso. Muitas celebridades fizeram isso;
Para prosperar financeiramente;
Enfim, pasmem, até mesmo para passar em exames, sim, talvez você não tenha ouvido isso, mas é verdade.
Enfim há muitos exemplos. De modo geral, você faz um pacto para receber algo em troca. Mas não basta celebrar o Pacto, o mecanismo do Pacto, é bem simples, você dá algo e recebe algo em troca.
Um coisa importante porém, é que um Pacto com Lúcifer não tem nada a ver com mágica. Fez o Pacto ontem e hoje espera que tudo esteja mudado?
Sua vida irá mudar sim com o Pacto, mas tudo será uma evolução. Seus problemas também não apareceram de um dia para o outro, cada dia foi evoluindo. Um pequeno problema ali, outro aqui, os problemas se acumulando. Enfim, até você se ver sem saída.
A resolução dos seus problemas, segue a mesma linha. As coisas irão acontecer, seus problemas irão ser resolvidos. Mas por quem? Por você mesmo! Ora, você mesmo é quem resolverá seus próprios problemas. Lúcifer irá ajudar você, irá abrir as portas das oportunidades. Mas não adianta nada Ele abrir se você não fizer a sua parte. Não adianta pedir riqueza, se você ficar o dia inteiro trancado(a) dentro de casa! Pedir para conquistar alguém e não cortejar essa pessoa, não funciona. Está me entendo! 
Num Pacto com Lúcifer, não acontece milagres. A diferença é que seus esforços valerão a pena. Imagine o caso de um vendedor: Ele se esforça, muda sua maneira de vender, mas nada acontece. No caso do Pacto esse seu esforço valerá a pena e você conseguirá os seus objetivos, vender cada vez mais, e cada vez mais clientes. Você inicia um projeto e terá nele sucesso. Mas lembre-se: Você terá primeiro que fazer a sua parte no acordo com Lúcifer e os Deuses Luciferianos!
Se você não fizer a sua parte, Lúcifer e seus demônios não farão a dele e lhe cobrarão. Sim, eles lhe cobrarão, pois ao tê-los invocado e se comprometido com eles, eles deram-lhe uma parcela da energia e da força deles, imantaram você, passando a proteger-lhe e acima de tudo, receberam você para esta e futuras vidas, como membro da Corte de Lúcifer. De certa forma celebrar um Pacto com Lúcifer e com os Deuses Luciferianos equivale a um alistamento militar.
Independente das fantasias que as pessoas alimentam a respeito deste tipo de compromisso, gostaria de tentar esclarecer que fazer um Pacto com Lúcifer é um compromisso para essa e outras vidas, mas veja bem é um compromisso de ambas as partes. Ou seja, Lúcifer cumprirá a parte dele no acordo, se você também cumprir sua parte. É óbvio que se você não cumprir sua parte, Lúcifer e sua Corte não cumprirão a parte deles. Não basta fazer o Pacto sentar e esperar. Ou você faz a sua parte, cumpre seus compromissos com Lúcifer ou na melhor das hipóteses de nada valerá, pois inclusive o Pacto poderá lhe prejudicar, afinal os compromissos assumidos e não cumpridos por você lhe serão cobrados de um jeito ou de outro. A propósito, assistir algumas aulas, pagar mensalidades e ir alguns rituais, são responsabilidades minimas qualquer Aluno Luciferiano independente de ser Pactuado ou não.
Se você ocupa um cargo administrativo ou litúrgico, se é um aluno, um iniciado, um Pactuado, um membro das Ordens do Templo, enfim, sua responsabilidade aumenta conforme sua consciência aumenta e de acordo com os compromissos assumidos por você. Assim quanto mais você avançar nos graus, mais responsabilidade você terá.
Observem, isso se aplica a todo mundo no Templo, minha responsabilidade nessa casa é maior do que a de todos os irmãos, pois é total e absoluta.
Portanto uma pessoa que se dirige ao Templo para consultar-nos e fazer um Trabalho conosco, tem um nível responsabilidade e cobrança, por parte de nós e das entidades que Trabalham no Templo, já um irmão que estuda conosco, tem mais responsabilidade, um iniciado tem mais ainda, um Oficial mais, um Pactuado tem mais responsabilidade ainda, um membro das Ordens... Tal responsabilidade varia conforme os compromissos assumidos e influência no resultado dos Trabalhos de Magia que o irmão faz no Templo, de modo muito semelhante a declaração cristã de que "A quem muito for dado, muito será exigido", cito esta máxima por que a maioria foi criada num ambiente cristão e a conhece, no entanto eu prefiro o ditado popular muito correto que diz; "Quanto maior a altura do coqueiro, maior o tombo". Isso se aplica a todos nós, inclusive a mim, que sou Sacerdote e Ministro de Lúcifer.
Um Pacto com Lúcifer é perigoso?
SIM! Um Pacto com Lúcifer é muito perigoso! Um cristão jamais deve fazê-lo. Somente um Luciferiano deve fazer um Pacto com Lúcifer, mas se você não for um Luciferiano, então ele pode ser perigoso. Na verdade, isso pode ser perigoso até mesmo para os Luciferianos. 
No entanto para estes últimos, o Pacto só é perigoso quando se assume compromissos e não se cumpre.
Um Pacto com Lúcifer e os Deuses do Panteão Luciferiano, é um compromisso para esta e para outras vidas.
Você procurou Lúcifer, pediu para realizar o Pacto com ele, ele lhe questionou e você aceitou as condições do acordo. Isso não é coisa de criança. Portanto, se você não fizer a sua parte no trato, se você não der algo em troca do que foi combinado... Se você simplesmente invocar Lúcifer e os Deuses Luciferianos, que estavam quietos em seu canto, celebrar com eles um acordo de sangue. E depois disso, não cumprir sua parte e levianamente der uma "banana" para Lúcifer e para sua Corte, você vai descobrir da pior maneira possível, porque Lúcifer vem sendo confundido a mais de 2.000 anos, por milhares de pessoas, com o Diabo cristão. E porque os Deuses Luciferianos, também são considerados por muitos a mais de 2.000 como Demônios Malignos e Perversos.
Nesse caso, Lúcifer e seus Demônios lhes mostrarão sua face mais negativa, odiosa e cruel.
Não pense que Lúcifer, vai deixar de cobrar sua parte no trato (com juros e correção monetária) se você não der a ele o que você prometeu ou se você quebrar sua promessa. Ele e os que Trabalham para Ele, vão querer saber o que aconteceu e vão correr atrás do prejuízo! 
Entender isso é uma coisa muito importante: Prometeu, cumpra, só então ele cumprirá a parte dele.
Quem se compromete com Lúcifer, depois lhe dá as costas sem ao menos lhe dar satisfação, terá sua vida financeira arruinada, sua vida doméstica destruída, perderá não só a pessoa que ama, mas todas as amizades e terá sua saúde física terrivelmente prejudicada pela atuação dos Demônios de Lúcifer, agindo no seu aspecto negativo. Existe um ditado popular que considero muito interessante que diz; "O Diabo dá com duas patas e tira com quatro".
De minha parte, eu nunca faço nada com quem age da forma leviana acima descrita. No máximo faço o Ritual de Desligamento da Egrégora da Obra, a partir daí eles estão por sua conta e risco e dependerão da misericórdia de Lúcifer e de seus Demônios. Porém como digo sempre em nossas aulas, esse caminho não é o da Misericórdia, mas sim o caminho do Rigor. Portanto eu não faço nada, pois naturalmente, aqueles que assumem compromissos com os Demônios e depois lhes dão as costas, verão o inferno na Terra.
A coisa é simples prometeu, cumpra, caso contrario pague, e eles nunca foram ludibriados, sempre receberam suas dívidas e nunca deixaram de punir àqueles que depois de ter se comprometido com eles, levianamente lhes viraram as costas, sem lhes dar a menor satisfação, não tendo a menor consideração e "cagaram" para o compromisso assumido com Lúcifer.
Naturalmente se você fizer a sua parte, Lúcifer e seus Demônios farão a Deles, e certamente serão seus aliados e trabalharão para você, te auxiliarão em suas empreitadas e te protegerão. Eles, Lúcifer e os Demônios Astaroth, Baalzebu, Asmodeus, Moloch, Leviathan, Seth-Tiphon, Tiamat, Dagon, Nergal e Babilônia a Grande, a partir do Pacto, serão teus melhores amigos e protetores.

O demônio é um mito ou uma realidade?

Mas será isso mesmo? Qual é, de fato, a palavra da Igreja sobre este tema?
Para alguns teólogos modernos, o diabo e seus demônios nunca existiram. Se Jesus se referiu a eles por várias vezes nos Evangelhos é porque estava fazendo uma concessão à mentalidade da época. Em pleno século XX não seria possível que o homem moderno acreditasse nesses seres. Mas, será mesmo? Qual é a fé da Igreja sobre o tema? O Catecismo da Igreja Católica, a partir do número 391, fala especificamente sobre a queda dos anjos:

"Por trás da opção de desobediência de nossos primeiros pais há uma voz sedutora que se opõe a Deus e que, por inveja, os faz cair na morte. A Escritura e a Tradição da Igreja veem nesse ser um anjo destronado, chamado Satanás ou Diabo. [...] A Escritura fala de um pecado desses anjos. Essa queda consiste na opção livre desses espíritos criados, que rejeitaram radical e irrevogavelmente a Deus e seu Reino. [...] É o caráter irrevogável de sua opção, e não uma deficiência da infinita misericórdia divina, que faz com que o pecado dos anjos não possa ser perdoado. Não existe arrependimento para eles depois da queda, como não existe para os homens após a morte. [...] A Escritura atesta a influência nefasta daquele que Jesus chama "o homicida desde o princípio"... [...] A mais grave dessas obras devido às suas consequências, foi a sedução mentirosa que induziu o homem a desobedecer a Deus."
O IV Concílio de Latrão, realizado em 1215, ao promulgar a definição contra os cátaros e albigenses, afirmou que:

"Cremos firmemente e confessamos sinceramente que um só é o verdadeiro Deus eterno e incomensurável, imutável, incompreensível, onipotente e inefável, Pai e Filho e Espírito Santo: três pessoas, mas uma só essência, substância ou natureza absolutamente simples. O Pai não provém de ninguém, o Filho só do Pai, o Espírito Santo de modo igual de um e de outro, sempre sem início e sem fim. O Pai gera, o Filho nasce, o Espírito santo procede. São consubstanciais, co-iguais, co-onipotentes e co-eternos: único princípio do universo, criador de todas as coisas visíveis e invisíveis, espirituais e materiais, que com sua força onipotente desde o princípio do tempo criou do nada uma e outra criação: a espiritual e a material, isto é, a angelical e a mundana; e, depois, a humana, de algum modo comum a ambas, constituída de alma e de corpo. Pois o diabo e os outros demônios foram criados por Deus naturalmente bons, mas por si mesmos se transformaram em maus. Já o homem pecou por sugestão do diabo." (DH 800)
Além disso, o Novo Testamento menciona o diabo e seus demônios cerca 511 vezes e nunca por razões especulativas. Jesus, em nenhum momento de sua vida, principalmente em matéria religiosa, adaptou-se à realidade da época. Por outro lado, existe uma vertente cada vez mais numerosa de pessoas que não só creem na existência do Diabo, como estão a cultuá-lo. O satanismo, infelizmente, é uma realidade nas sociedades modernas.

Para o católico, crer na existência do Diabo e dos seus demônios faz parte dos dogmas essenciais da fé. Sem eles, não seria possível compreender plenamente a natureza da libertação realizada por Cristo. Os Santos Padres falavam sobre o entrelaçamento dos dogmas, ou seja, crer no dogma da redenção implica em saber que a libertação foi da escravidão do demônio, e assim por diante. É o grande mistério da iniquidade, definido pelo Catecismo da Igreja Católico no relato da 'Queda':

"Deus é infinitamente bom e todas as suas obras são boas. Todavia, ninguém escapa à experiência do sofrimento, dos males existentes na natureza - que aparecem ligados às limitações próprias das criaturas - e, sobretudo, à questão do mal moral. De onde vem o mal? 'Eu perguntava de onde vem o mal e não encontrava saída', diz Santo Agostinho, e sua própria busca sofrida não encontrará saída, a não ser em sua conversão ao Deus vivo. Pois 'o mistério da iniquidade' só se explica à luz do 'Mistério da piedade'. A revelação do amor divino em Cristo manifestou ao mesmo tempo a extensão do mal e a superabundância da graça. Precisamos, pois, abordar a questão da origem do mal fixando o olhar de nossa fé naquele que, e só Ele, é o Vencedor do mal." (CIC 385)
Nestes tempos em que a humanidade se julga autossuficiente, capaz de derrotar sozinha o Mal - como os pelagianos -, é bom recordar a absoluta necessidade que o homem tem de Deus, da salvação e da liberdade que só podem vir Dele. A fé da Igreja não deve suscitar medo; pelo contrário, deve iluminar a vida. Aquele que crê na existência de Satanás, deve crer e confiar também na Redenção realizada por Cristo.

“A crença no sobrenatural é perigosa”

O americano Michael Shermer dedica a vida a combater superstições e acaba de publicar no Brasil o livro 'Cérebro e Crença', no qual estuda as bases neurológicas das convicções

Há trinta anos o psicólogo americano Michael Shermer se dedica a combater superstições. Ele criou uma ONG, uma revista (Skeptic Magazine), sites e programas de TV focados em promover o pensamento científico e desmascarar charlatões. Shermer, que chega ao Brasil no fim deste mês para uma série de palestras, é autor de quinze livros. O último, Cérebro e Crença, foi lançado em português na semana passada. Nesta entrevista, publicada na edição de VEJA desta semana, ele diz que a tendência a se iludir com fantasias é própria do processo mental humano e defende o combate à crendice em favor do progresso.
Por que as pessoas acreditam no inacreditável?

A evolução fez do cérebro uma espécie de máquina de reconhecimento de padrões na natureza. Às vezes, esses padrões são reais, mas na maioria dos casos são fruto da imaginação. Milhões de anos no passado, ao ouvir um barulho vindo da mata, um hominídeo poderia supor que se tratava de algo inofensivo, como o vento. Se estivesse errado, e fosse um predador, correria o risco de ser devorado. Nosso ancestral poderia, por outro lado, imaginar a presença de uma divindade perigosa no mato e se afastar o mais rápido possível.

A segunda opção é a que a maioria adota. Imaginar o perigo e fugir garante a sobrevivência, mas também a ignorância. Ir até o mato verificar do que realmente se trata o barulho exige curiosidade e uma batalha contra os instintos. É nessa categoria, a dos homens que não se rendem a narrativas fictícias, que se encaixa o cientista. Os crentes seguem a trilha inversa, a dos que se contentam com suposições sobrenaturais. É um fenômeno que tem a ver com a química do cérebro: a convicção de que o pensamento mágico é o que basta para a compreensão do universo produz uma sensação de prazer. Ficamos felizes em imaginar que seres místicos, sejam eles deuses ou extraterrestres, se preocupam e cuidam de nós. Não nos sentimos sós.

Como se sabe que o cérebro é propenso a acreditar no fantástico?

A neurociência identifica padrões de ondas cerebrais distintos que nos levam a criar crendices e a ter prazer na constatação de que temos respostas às nossas dúvidas. Em situações extremas, como as enfrentadas por quem está no limite da resistência física ou próximo à morte, o cérebro reage com a redução da atividade na área responsável pela consciência e o aumento em regiões ligadas à imaginação. Essa reação natural está na origem das alucinações. Não há mistério nesse processo. Os cientistas são capazes de produzir visões ou a sensação de transcendência espiritual com o estímulo artificial de certas áreas do cérebro.

O senhor foi um cristão evangélico ativo no esforço de atrair fiéis para sua igreja. Como se tornou um cético?

Somos mais abertos à religião na juventude e na velhice. Naturalmente, no fim da vida é comum procurar por conceitos reconfortantes, ainda que irreais. No meu caso, o apelo da crendice me atingiu na juventude, como uma explicação fácil para tudo o que existe. A religião tem um apelo social enorme. O ambiente alentador de uma comunidade ajuda a afastar as dúvidas até daqueles que não acreditam plenamente no sobrenatural e nos dogmas religiosos. Desvencilhei-me da crença ao entrar para a comunidade científica. O método científico, cujo princípio básico é o de que qualquer afirmação deve ser comprovada em experimentos repetidos, alimenta o ceticismo e favorece o progresso.

O que faz com que a ciência seja a melhor ferramenta para explicar o mundo?

A ciência é democrática. Qualquer um pode estudar e chegar a conclusões racionais. Cientistas estão abertos à possibilidade de estarem errados e, por isso, promovem a invenção e a reinvenção de conceitos. É o que garante o avanço do conhecimento. A crendice é intolerante. Fixa uma verdade e não abre espaço para perguntas. Se nos apegássemos apenas ao sobrenatural, nunca teríamos saído da floresta e criado a civilização.

No mundo moderno, ainda precisamos da crença?

É impossível deixar de crer. A ciência também depende da nossa capacidade de elaborar crenças. Qualquer experimento nasce com uma premissa baseada no que se acredita ser verdade. Ideologias também precisam da habilidade de crer. Eu acredito no liberalismo, na democracia e nos direitos humanos. Podemos, porém, abandonar o que não pode ser explicado, como deuses e bruxos. Não nos faria falta.

Há vantagens na crença?

A evolução nos concedeu a habilidade de acreditar por boas razões. A crença em divindades nos levou a temer o mundo e, com isso, nos ajudou a sobreviver nele. Também contribuiu para a formulação de leis que regiam comunidades primitivas. A moral e a ética nasceram na religião.

Se a ética tem origem religiosa, por que ela prevalece na sociedade laica?

As igrejas se tornaram um fator de corrupção, motivo de guerras e perseguições. Por sorte, presenciamos o declínio da crença no sobrenatural. Países do norte europeu, onde apenas um quarto da população segue alguma religião, têm índices de criminalidade, suicídio e doenças sexualmente transmissíveis inferiores aos de estados em que a maioria dos habitantes é de crentes, como os Estados Unidos e o Brasil. Se a religião se declara um bastião da bondade, por que, historicamente, estados teocráticos são mais suscetíveis à criminalidade do que os seculares?

Apesar de vivermos na era da ciência, cresce a crença no sobrenatural. Por quê?

É verdade que vivemos num mundo em que a ciência faz parte do dia a dia. Todos gostam de iPhones e admiram as naves que pousam em Marte. Mas poucos abdicam de crenças sobrenaturais e aceitam a ciência como ferramenta para explicar o universo. A maioria só quer aproveitar os produtos da ciência. Quando se trata de responder a dúvidas primordiais, como a origem do universo ou o sentido da existência, preferem explicações irreais, mas convincentes em suas narrativas fictícias.

Por que o senhor se dá ao trabalho de combater a superstição?

Sempre me perguntam por que não deixo os crentes em paz. Ocorre que a crença no sobrenatural não é inócua. Ao contrário, é bastante perigosa. Acreditar na dita medicina alternativa é um exemplo. Muita gente morre por substituir o tratamento médico sério por procedimentos supersticiosos, como o consumo de ervas com propriedades supostamente milagrosas.

Não é possível provar a existência de divindades e criaturas fantásticas. O senhor concorda que também é difícil provar que não existam?

O fato de não explicarmos um mistério não significa que ele exija explicações sobrenaturais. Só mostra que ainda não há resposta. O ônus da prova cabe aos crentes. O cético só crê no que é provado. Nesse aspecto, a ciência tem feito bom trabalho ao desmascarar mitos. No passado, já se acreditou que a Terra viajava pelo cosmo no lombo de um elefante. Existem 10.000 religiões. Espanta-me a arrogância de quem supõe que só uma crença seja correta em meio a tantas.

O senhor leva em consideração que pode estar errado?

Assim como todos, só descobrirei a resposta quando morrer. Como cientista, estou aberto à possibilidade de ter me enganado. Se houver um ou vários deuses, ficarei surpreso. Mas não tenho medo. Se há um Deus, ele me deu um cérebro para pensar. Meu pecado seria usá-lo para raciocinar e buscar explicações? Um ser benevolente não me puniria por utilizar bem as armas que me concedeu.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Se realmente deseja fazer o Pacto com LUCIFER. Deverá ler atentamente o texto abaixo !

Inúmeras  pessoas me perguntam diariamente como fazer um Pacto com LUCIFER, e várias vezes recusei o repasse deste Ritual, até porque, a grande maioria dos supostos interessados têm uma visão muito errada e limitada de como as coisas acontecerão após o Pacto, e não compreendem, nem tampouco esforçam-se para a compreensão, de que  trata-se de um PACTO, e não de um passe de mágica !


Não acredite que, você realizando o Pacto hoje, amanhã você ganhará na loteria.
Definitivamente NÃO é assim que as coisas funcionam !
Lembre-se você fará um Pacto !!!!
Então, você deve saber que este Ritual  não significa somente ter uma vida boa, e sim, uma aliança com LUCIFER. Você passará a fazer parte do reinado DELE, e desfrutará de Seu poder.
Há de se ter paciência, pois, tudo ocorrerá no seu devido tempo. Todas as portas serão abertas no seu devido estágio. Se tens uma profissão, surgirão ótimas oportunidades; será reconhecido.
Em relacionamentos amorosos, LUCIFER o instruirá (em sua mente) para que você consiga essa pessoa… a fim de que você realize todos os desejos e anseios ! e assim por diante …
mas ja digo que nao e facil conceguir as coisas que desenjam, ja que sao dificeis e facil de axar ao mesmo tempo.
Então, esclarecido isso, informo que, posso lhe ajudar sim para conseguir tudo o que você quiser, mas eu lhe aviso que não é tarefa das mais fáceis como falam.
Para uma pessoa seguir deus, passa pelo batismo, primeira comunhão e crisma, e para seguir LUCIFER é parecido, porém,  mais rápido e menos complicado.
O que quero dizer com isto ? na própria preparação do Ritual, até a
conclusão do mesmo, você passará por testes de fidelidade a ELE,  e isso não tem volta !
Quanto ao Ritual: existem variedades enormes. O que você deverá seguir(que enviarei) é o mais completo possível .
Algumas pessoas preferem pagar um templo de alta magia para realizá-Lo, às vezes, chegando a quantias expressivas; como 6mil a 20mil Reais,  mas,  os resultados são sempre os mesmos.
mas aqui so pedimos um Dizimo para os fieis, 
O grupo Satanic Church pede uma Doacao no valor de 10,00, 30,00 ou 50,00, mande-nos um Mail e mandaremos documentos do pactos para voce
satanicchurch@hotmail.com Caixa Economica federal conta Poupanca Agencia 1951 conta 01300044810-4 Quero deixar muito claro que, o objetivo do repasse do Ritual está em ajudar quem procura ajuda

Creio que, não preciso nem lembrar que este Ritual é algo seríssimo, e deve ser uma decisão muito consciente e refletida do que realmente deseja fazer !
Se você tem certeza absoluta das conseqüências, é suficientemente maduro, e está disposto a se comprometer fielmente ao seguir o Pacto, perfeito !
A forma com que você realizará este Ritual deve ser planejada com cautela, atenção e sem “atropelos”. De preferência em um mês que você esteja em período de férias…descansando..relaxando …
Deverá realizar somente após estudar e se programar para a perfeita execução do mesmo, pois deverá  seguir exatamente à risca. Não é que seja difícil, basta atentar-se para todos os detalhes, por isso sugiro fortemente que seja em um período de férias para a realização do Mesmo, então por favor, não me contate caso não tenha real disponibilidade de se programar, até porque você  deve certificar-se do que almeja, e esforçar-se para tal !
A base do satanismo espiritual jaz em nossa função de terminar a obra de satanás sobre a humanidade. Este é o objetivo da divinidade, e se leva a cabo através da meditação. A humanidade encontra-se atualmente em um nível muito baixo espiritualmente. Quando começamos a meditar, experimentamos profundas mudanças positivas em nossas vidas. satanás e seus demônios (os deuses originais) protegem-nos e cuidam, à medida que transformamo-nos e alcançamos o poder pessoal. Com satanás, temos a proteção que os de fora não têm. Podemos alcançar os poderes da mente e da alma quanto desejemos. Para os de fora, isto pode resultar perigoso.
Satanás também nos dá conhecimento. “Dirijo-vos à senda reta sem um livro.”
À medida que transformamo-nos e crescemos, nossas vidas mudam para melhor e fazem-se bem mais felizes. Aprendemos através de satanás como tomar o controle de nossas próprias vidas e do destino em local de estar a graça do destino. Aprendemos a sanar-nos/saná-nos a nós mesmos, e a cumprir nossos desejos, usando os poderes da mente e a alma.
Ao fazer um compromisso, envolvemo-nos em um ritual formal. Isto se faz por livre albedrío. Estamos fazendo uma eleição consciente, em local de ser arrastados a alguma igreja, e recitar orações enlatadas adiante de um montão de seguidores cegos.
Como muitos foram fortemente adoctrinados a estes elementos e ao que representam (Inimigos de satanás), renunciamos de forma permanente mediante um ritual de dedicação. Isto é algo psicologicamente são e liberador.
O ritual de iniciação é algo muito pessoal e individual, a não ser que decida o fazer como parte de um grupo.

3 atitudes teoricamente necessárias para se fazer um pacto com o Diabo

Certamente você já ouviu falar que alguém fez um pacto com o diabo para conseguir fama, dinheiro ou algo do tipo. Até que a Xuxa o teria feito que a prova estaria lá em seu CD, caso você ouvisse do lado contrário.
São diversas as teorias que envolvem esse assunto, inclusive que, após o humano conseguir o tanto deseja, o diabo rouba sua alma. Mas você sabe como e de onde saiu a ideia de que é possível fazer um pacto com o Diabo e como isso funciona de fato? Talvez não seja muito útil hoje, mas vai que você precisa um dia, não é? rsrs
Tudo começou com um livro datado de 1935 chamado The Formicarius, onde está escrito uma dos modelos mais difundidos de pacto com o demônio.
No livro o pacto consiste em um ritual que pode tanto ser realizado individualmente, quanto em conjunto, onde, o pré-requisito básico para os candidatos a ingressar no mundo das trevas, é a negação total às suas origens atribuídas a Deus.
Segundo o livro, é necessário realizar três passos para conseguir finalizar a negociação:
Negar a Deus em público
O pactuante deverá dirigir-se a algum templo sagrado, igreja ou derivados ao qual frequentasse antes e, de frente ao altar sagrado, negar completamente sua crença e submissão a Deus, na frente de todo mundo

Sacrificar a alma de um cordeiro
Para pactuar com o Satã é necessário sacrificar não apenas a sua alma, mas também a de um pobre cordeiro. Então, se você não se acha capaz de fazer isso, sem chances de negociação.
Oferecer a sua alma
Sim, essa história de que para negociar com o diabo tem que vender sua alma é a mais pura verdade. Ele pode te dar qualquer coisa que desejar: poder, dinheiro, fama, mas após sua morte sua alma é dele. E não adianta se arrepender, pois cada ano que o ex pactuante sobreviver na terra (porque convenhamos que sua vida não vai ser nada fácil depois de ter contrariado o capiroto) corresponderá a 10 anos ao lado de seu “benfeitor” no inferno.

Postagens populares

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...